Por que tão colorida?

Pessoas com cabelo em tons considerados neutros ou "normais" passam uma credibilidade enquanto o cabelo colorido é visto com maus olhos.

Representante de vendas diz que ainda é agredida verbalmente por causa do seu cabelo. (Crédito: Karen Fernandez)

 

 

O preconceito sempre esteve presente na nossa sociedade e atinge aqueles que são considerados diferentes. Não só pessoas negras e de outras religiões sofrem com isso, mas também pessoas que tem o cabelo colorido, um estilo diferente. Muitas jovens desde a adolescência até a fase adulta mudam seu visual, mas, na maioria das vezes, isso não é aceito pela sociedade.

 

A estudante de jornalismo Nayara Lira diz que "o cabelo transmite responsabilidade, transmite seriedade. Se você tem o cabelo colorido, você é colocada como a criança, a adolescente eterna, a pessoa que não é responsável." A estudante afirma ainda que já teve que mudar a cor do seu cabelo para conseguir emprego e ser aceita. Entretanto, ela confessa que "a primeira semana que pintei meu cabelo de preto, eu não me reconhecia. Eu ainda não me reconheço. ”

 

Em alguns ambientes de trabalho o cabelo colorido é mais aceito, como, por exemplo, em lojas, mas algumas profissões exigem que as pessoas mudem seu visual, especialmente áreas como Medicina, Direito e Jornalismo. "Eu imaginava que a área de Jornalismo não tinha tanto preconceito e percebi que realmente tem. Cheguei a ser usada de exemplo em uma aula: do que não ser caso você queira seguir a profissão do jornalista”, diz Nayara.

 

 

 

 

A representante comercial de vendas, Karen Fernandez, diz que também já teve que pintar o cabelo de preto para arranjar um emprego e sofreu preconceito. “Em funções como a de recepcionista, muitas pessoas não aceitam que você seja colorida e tenho amigas que já sofreram com isso apenas tendo o cabelo cacheado... Me chamavam de vaca colorida na escola, falam que meu cabelo está pegando fogo na rua, o tempo todo recebo agressão verbal por conta dele. Confesso que alguns anos atrás era bem mais frequente o preconceito. ”

 

Karen ainda diz que “muitos já me perguntaram como consegui emprego sendo assim... Assim como tatuagem não define a capacidade de ninguém, uma cor de cabelo também não. ” A reportagem da EntreVerbos tentou entrar em contato com empresas de Recursos Humanos (RH) para saber sua opinião sobre o assunto, mas, infelizmente, não conseguiu resposta. 

 

 

Please reload

Pessoas de todas as idades se rendem aos grupos de ciclistas

31.03.2020

Sem habilitação não tem trânsito seguro

17.03.2020

Um projeto de superação para além das quatro linhas

17.03.2020

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias