A nova Era de Ouro da Gibiteca de Curitiba

De HQs raras a exposições, de cursos práticos a convenções. A Gibiteca acaba de passar por diversas mudanças e parece estar em sua melhor fase.

 

Da "garagem" para o antigo local do Museu de Fotografia, a Gibiteca agora conta com mais espaço (Crédito: Guilherme Dias)

 

Como alguém que descobre uma criança prodígio em sua própria casa, milhares de fãs de quadrinhos têm recentemente descoberto a magia e a importância da Gibiteca de Curitiba. Isso porque a instituição, que já tem 34 anos de existência (a primeira do Brasil em seu segmento), acaba de passar por uma grande reformulação estrutural, ganhando mais espaço físico, mais autonomia e, consequentemente, mais atenção da população.

 

“A mudança da Gibiteca representa muita coisa”, explica o coordenador Fulvio Pacheco. “É o início do Setor de Ilustração, que gerou uma procura maior por parte do público, mas também é um retorno.” A Gibiteca já esteve nesse mesmo espaço até 28 anos atrás e contava com um grande fluxo de pessoas na época. Porém, as visitas diminuíram com a troca de ambientes em 1988.

 

Com a reinauguração em maio deste ano, a Gibiteca passou a ocupar a ala do Solar do Barão antes usada pelo Museu da Fotografia. O local anterior era um grande galpão, dividido em apenas dois ambientes, no espaço que eles chamavam de “garagem”. Fulvio conta que a classe dos desenhistas de Curitiba sempre falava com nostalgia dos tempos primordiais da Gibiteca e que agora, que ela finalmente retornou ao seu espaço original, a procura é ainda maior do que antigamente.

 

Afinal, o que mudou?

 

Com a popularização dos quadrinhos na cultura mainstream, a procura pela Gibiteca e por seus eventos aumentou bastante. Segundo o coordenador, uma boa métrica do crescimento do público é a Gibicon (recentemente rebatizada de “Bienal de Quadrinhos de Curitiba”). A última contou com cerca de 30 mil pessoas. Já é o evento municipal fixo que mais traz turistas à cidade, de acordo com a Secretaria de Turismo.

 

Além da Bienal, a instituição ainda realiza eventos como a JediCon para fãs de Star Wars e a TrekCon para fãs de Star Trek (Jornada nas Estrelas). O primeiro já é quase tão grande quanto a Gibicon e o segundo completa 20 anos em 2016.

 

Antes era necessário sempre pedir à Fundação Cultural de Curitiba locais que pudessem sediar exposições e eventos. Agora, a própria Gibiteca  pode sediar diversos eventos menores. Nos meses de junho e julho, por exemplo, a Gibiteca exibe duas exposições simultâneas.

 

 

No piso superior, os diferentes estilos da carreira de Nilson Miller, famoso pelas ilustrações da bala Zequinha, e também renomado quadrinista e desenhista de pin-ups.  Já na sala Carlos Alberto Noviski, no térreo, encontra-se uma exposição da comunidade internacional de artistas Urban Sketchers. No dia da reinauguração, integrantes do grupo em Curitiba se reuniram no local e criaram diversas peças visuais que representam a instituição.

 

No entanto, tudo não se resume apenas a um remanejamento de ambientes. Além de uma melhor divisão das salas com as estantes recheadas de quadrinhos, agora a entidade conta com duas áreas de exposições, uma sala de aula de ilustração e uma incubadora — que é um espaço de formação de artistas para trabalhar temas como economia criativa, funcionando também um estúdio público.

 

A voz dos artistas

 

As mudanças da Gibiteca não aconteceram por acaso, mas por reivindicação da classe dos ilustradores que se organizou em 2015 e fez diversas conferências para artistas de áreas específicas, como quadrinhos, caricatura, tatuagem e games. Na ocasião, foram eleitos representante de cada uma dessas divisões para participarem da Conferência Municipal de Cultura.

 

A partir disso, foi feito um plano setorial pedindo por uma infraestrutura mais adequada, modificando o próprio organograma da própria Fundação Cultural. Agora existe um “Setor de Ilustração”, também coordenado por Fulvio. É um novo departamento responsável por todos os eventos dos ramos de quadrinhos, animação, RPG, cosplay, etc. 

 

“Quando, por exemplo, grupos de organização de eventos, como o Shinobi Spirit, conversam com a gente, nós vemos se é possível fazer na Gibiteca”, diz Fulvio. “Mas se a expectativa for de muita gente, nós fazemos a ponte para que seja realizado em outro espaço da prefeitura que comporte o evento.”

 

 A recepção da Gibiteca, onde ficam alguns dos encadernados e quadrinhos raros (Crédito: Guilherme Dias)

 

Também fazia parte da transição a tarefa de encontrar um substituto para Maristela Garcia, que foi coordenadora da instituição por muitos anos e atualmente está em processo de aposentadoria. Para o cargo, a classe de ilustradores fez um abaixo assinado pedindo  que ele fosse dado a alguém da área. Foi assim que Fulvio Pacheco, que começou como autor de quadrinhos, mais tarde graduando-se na faculdade de artes e sendo professor na Gibiteca durante 12 anos, assumiu a posição este ano.

 

De agenda cheia

 

Grande parte do público tem ido até a Gibiteca por causa de sua nova e agitada programação. Além de workshops com profissionais veteranos, são diversos os cursos oferecidos regularmente por lá. O mais disputado é o curso básico de quadrinhos, que gera tanta procura que é necessário abrir três turmas simultâneas.

 

É importante ressaltar que Curitiba é um dos principais polos de produção de quadrinhos do Brasil, ficando atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro. Por isso, eles têm uma seção especial dedicada aos artistas locais. Inclusive, vários desses quadrinistas fazem o lançamento de seus novos trabalhos na Gibiteca.

 

 

 

“Nossa agenda está cheia, praticamente toda semana temos um evento”, conta o coordenador. Em 2015, a instituição fez o lançamento de 36 revistas em quadrinhos em Curitiba, um feito inédito. E este ano promete um número ainda maior. A média atual é de um lançamento por semana.

 

“O que está acontecendo agora representa o período de ouro para os quadrinhos em Curitiba”. Para aqueles que ainda não conhecem a Gibiteca, este parece ser um bom momento para corrigir isso. O endereço, contato e horário de atendimento você encontra aqui.

Please reload

Drone: o “zangão” moderno e seus múltiplos benefícios

09.12.2019

Pibid: programa educacional valoriza a formação de docentes

02.12.2019

Escola de Karatê em São Miguel do Iguaçu nasce na persistência e dedicação

25.11.2019

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon

Siga a Entreverbos

Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo