Torcidas (des)organizadas: a diversão acaba quando o futebol não é a bola da vez

O drama de acompanhar seu time do coração e ter sua própria vida posta em risco

 

 As principais torcidas organizadas do Paraná: Os Fanáticos, Império Alviverde e Fúria Independente (Crédito: Acervo Pessoal Alyne Taroco)

 

 

No primeiro domingo de junho, Flamengo e Palmeiras levaram 54.665 torcedores ao Mané Garrincha, em Brasília, o maior público registrado na atual edição do Campeonato Brasileiro. Mas, a partida, que poderia ter sido marcada apenas pelo grande público, virou destaque também pela confusão no intervalo.

 

Torcedores e jogadores sofreram com os efeitos do gás de pimenta, utilizado pela Polícia Militar na tentativa de evitar uma invasão de torcedores rivais a um setor destinado a rubro-negros.  Como o spray foi lançado em uma área de circulação interna do estádio, logo se propagou pelas arquibancadas, chegando até ao gramado.

 

Uma cena gerou preocupação dos brigadistas: um menino cadeirante vestido com uma camisa do Palmeiras sendo carregado nos braços pelo pai, que chorava e beijava-lhe o rosto. O menino passa bem, mas a cena presenciada no Mané Garrincha é apenas um reflexo do que acontece frequentemente dentro e fora dos estádios.

 

Pai retira filho cadeirante do Mané Garrincha no colo após gás de pimenta ser lançado no estádio. (Crédito: Reprodução/Youtube/Thaaynara Araujo) 

 

Casos como esse não são exclusividade em partidas de times do eixo Rio-São Paulo. Jovens depredam terminais e estações tubo, furtam camisas estilizadas da torcida rival e as exibem como troféus, trocam chutes e socos. Esses são alguns dos membros de uma torcida organizada, que excedem o amor ao time e dão lugar a violência e intolerância.

 

As principais torcidas organizadas do Estado do Paraná são Os Fanáticos,  do Atlético Paranaense, Império Alviverde, do Coritiba, e a Fúria Independente,  do Paraná Clube. Nessas torcidas, existem as Baterias, que formam uma espécie de orquestra com músicas exclusivas e promovem um show de alegria e incentivo aos jogadores.

 

Essas equipes são bem articuladas, possuem sedes, lojas física e online, site de notícias sobre o time e promovem eventos solidários por toda a Curitiba. Pronunciam-se contra os casos de violência e afirmam que uma torcida não pode ser julgada pela ação de uma minoria.

 

Em 2009, a ação dessas minorias ficou marcada na história do futebol brasileiro e também na vida do curitibano Anderson Rossa Moura. O motivo foi o de rebaixamento do Coritiba à Segunda Divisão do Campeonato Brasileiro e o palco dessa tragédia foi o Couto Pereira, nos minutos finais da partida.

 

Na foto, Anderson antes do acidente. Ele ficou 19 dias na UTI entre a vida e a morte. (Crédito: Arquivo pessoal Anderson Moura)

 

 

Eu sou um milagre

 

Quem conhece esse rapaz de 26 anos de riso solto não imagina o que ele já teve de enfrentar na vida. Anderson Moura é um dos personagens da barbárie que aconteceu no fatídico dia 6 de dezembro. Segundo os médicos, o rapaz tinha 1% de chance de sobreviver, mas Anderson desafiou a medicina e hoje tem a oportunidade de contar sua história de superação.

 

Moura estava na arquibancada e um policial, a cinco metros de distância, não hesitou e deu um tiro de bala de borracha. O disparo acertou em cheio a sua cabeça. ‘’Jamais pensei que ele atiraria, e ele foi e atirou. Todos pensaram que eu havia morrido, eu perdi massa encefálica ainda no estádio’’, desabafa Moura.

 

A partir daí, a vida do ex-estudante de Gastronomia mudou de forma radical. Teve que reaprender a falar, andar e abriu mão de alguns dos seus sonhos. O jovem já atuava na área gastronômica quando sofreu o acidente, mas teve de largar tudo para lutar pela sua vida.

 

Em entrevista para a EntreVerbos, ele conta como foram os seus dias após a partida de futebol que mudou sua vida:

 

''Eles pensavam que eu ia morrer, uns até pensam que eu morri.'' (Crédito: Alyne Taroco) 

 

Atualmente, para ajudar na renda da família, vende pães de queijo pelo bairro onde mora e voltou ao antigo emprego. Porém, Moura sofre de convulsões esporádicas e os médicos ainda não acharam explicação para isso.

 

O clube do Coritiba arca com as despesas de sua fisioterapia, mas Anderson precisa de cuidados especiais. Ele chegou a solicitar um plano de saúde para a diretoria, mas há dois meses segue esperando.  A   EntreVerbos entrou em contato com a assessoria de imprensa do clube, que não se pronunciou até o fechamento dessa matéria.

Anderson nunca mais frequentou o Couto Pereira, mas ainda acompanha seu time e coleciona diversos objetos do clube. (Crédito: Alyne Taroco)

 

Mesmo com todas as adversidades que enfrentou, o torcedor é bastante ativo, faz fisioterapia, natação e sempre tem um sorriso estampado no rosto. Segue planejando seu futuro e pensa em abrir seu próprio negócio, comprar sua casa, um carro e construir sua família.

 

Anderson se vê bastante empolgado com o futuro e o que este o reserva, já que a maior provação que passou mostrou-lhe que é capaz de superar os mais difíceis obstáculos. Confira aqui um vídeo amador que relata o momento do disparo. 

 

 

''Já apanhei por estar vestida com o uniforme da torcida'' 

 

Segundo o livro ‘’Para entender: A Violência no Futebol’’, do sociólogo Mauricio Murad, as mulheres também estão mais presentes nos estádios, representando 15% do total. Pode-se notar que a agressão a esse público aumentou e representa uma morte das 15 que ocorreram no ano de 2015. Paralelamente, são elas que cooperam com os torcedores do sexo oposto, entrando com pacotes de cocaína e outras drogas, simplesmente porque não são revistadas.

 

Yasmin Obeid, de 26 anos, entrou para a torcida da Os Fanáticos em 2007, com apenas 17 anos. Ela diz que já chegou a ser agredida em diferentes circunstâncias.  ‘’Já apanhei por estar vestida com o uniforme da torcida dentro e fora dos estádios. Apenas pela roupa que eu estava vestindo’’, conta.

 

Yasmin entrou para a torcida aos 17 anos e permaneceu por dois anos. Hoje, a garota tem 26 anos. (Crédito: Alyne Taroco) 

 

Ela afirma que sempre foi bem tratada pelos rapazes da torcida, porém era proibida de falar com integrantes de torcidas rivais e que poderia até sofrer represálias se o fizesse. ‘’Eles eram cordiais e respeitadores, mas sempre me deixaram claro que eu não poderia ter amizade com torcidas rivais, que isso seria trair nossa torcida’’, afirma a moça.

 

Yasmin foi integrante da torcida até os 19 anos e diz que saiu por motivos familiares. ‘’Hoje em dia vou a jogos apenas por diversão, não participo mais de nenhuma torcida, mas digo que não existe lugar melhor para assistir aos jogos do que ao lado da Fanáticos. ’’

 

 

Em meio a tanto ódio, nem os jogadores se salvam

 

Muitas vezes, até os jogadores também podem sofrer ameaças da sua própria torcida. O jogador Walter, do Atlético Paranaense, foi intimidado pela Fanáticos em um vídeo publicado em uma rede social.

 

Neste vídeo o presidente da Os Fanáticos diz que faz tempo que Walter não rende em campo e que ele fez um gesto obsceno para a torcida. Ainda ressaltam que ou ele ‘’joga por amor ou vai jogar por terror ’’, e que deveria jogar com mais raça.

 

Além de palavras ofensivas durante toda a filmagem, o vídeo termina com alguns integrantes da torcida cantando ‘’’vamo’ correr, ‘vamo’ suar, se não o bicho vai pegar’’. Por fim, o atacante foi punido por indisciplina e a torcida da Os Fanáticos proibida de entrar no estádio com bandeiras e roupas da torcida, além de colocar bancos nos lugares destinados a eles.

 

Em entrevista para  EntreVerbos, Walter afirma que o vídeo foi grave e que deixou sua família e amigos próximos bastante assustados. ‘’Isso foi perigoso e chato ao mesmo tempo’’, ressalta o jogador.

 

 Walter revela que sofreu - e ainda sofre - preconceito; o alvo geralmente é a sua cor de pele e seu peso. (Crédito: Aliana Machado)

 

Entretanto, ele conversou com a torcida e resolveu todo mal entendido. “Graças a Deus está tudo certo agora”, desabafa. Ele ainda diz que na área em que atua é comum acontecer esse tipo de coisa.

 

Walter também conta que, em outro time no qual jogou, certa vez a torcida esperou no aeroporto para ofender todos os integrantes do time. O jogador declarou que em toda a sua carreira já sofreu muito preconceito, principalmente porque já esteve acima do peso e pela cor de sua pele.

 

Indagado sobre a rivalidade do Atlético- PR e do Coritiba, Walter afirma que vê essa disputa – quando saudável – animadora. ‘’Sem elas no estádio, o jogo fica sem graça e perde toda a beleza, é muito importante para nós essas torcidas presentes. ’’

 

O direito do cidadão de poder levar sua família nos estádios deve ser garantido, as pessoas esperam voltar bem para casa exatamente da maneira como saíram. É preciso esperar que o amor ao time não vire uma cultura de disseminação de ódio e intolerância e que a rivalidade fique apenas dentro de campo.  

 

 

A lei é para todos 

 

 Torcedor preso após investigação da Polícia Civil  (Crédito: Agência Brasil) 

 

A rivalidade entre clubes é antiga, sendo que várias brigas são flagradas após clássicos, tornando-se, assim, o país recordista em número de óbitos por causa do futebol. Com isso, leis foram criadas a fim de diminuir os confrontos e agressões existentes no mundo das torcidas organizadas.

 

A lei tem como objetivo a adaptação de torcedores marginais ao ambiente social, incluindo-os de aspecto eficiente e saudável. Esta busca corrigir a conduta de torcedores delinquentes, mostrando-os que ter gosto pelo futebol não está relacionado à violência e ódio pela torcida rival.  

 

Dentro dessas leis, os integrantes, sendo comprovada a sua participação em ato, deverão ser punidos com prestação de serviço à comunidade independente do horário, inclusive se for no horário do jogo do seu time ou em horário do jogo do time rival.

 

Ele também terá que reparar o dano, livre se não houver reparo. Essa punição é para todos os integrantes de torcidas organizadas, independentemente de cor, idade, sexo ou religião.

 

Dessa maneira, a lei coloca-os em um patamar de responsabilidade perante a comunidade sobre seus atos, seja ele integrante ou não de torcida organizada. O objetivo principal dessas leis é fazer com que o torcedor não deixe o amor pelo seu time se transformar em raiva pelo time adversário, não levando nenhum conflito para fora do estádio.

 

 

 

 

 

 

 

Please reload

Jovens LGBT enfrentam preconceito dentro de casa

18.11.2019

Ser bilíngue significa expandir os horizontes

11.11.2019

Terror destaca cinema nacional

04.11.2019

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon

Siga a Entreverbos

Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo