Imin Matsuri celebra a imigração japonesa no Brasil

 

O evento comemora a aliança brasileira com o povo do sol nascente

 

 Entrada do evento anual Imin Matsuri (Créditos: Talita Santos) .

 

O Imin Matsuri é o festival anual da  imigração japonesa no Brasil, que é comemorada em junho, mês que o primeiro navio chegou ao porto de Santos. São 108 anos de imigração japonesa. Curitiba comemora seu 26º ano de Imin Matsuri , evento que reúne pratos e danças típicas japonesas, exposições de bonsais, lojas e demonstrações da cultura pop asiática, entre elas os cosplays, animês e mangás.

 

O Matsuri surgiu dentro da Associação Cultural e Beneficente Nipo-Brasileira de Curitiba, também conhecida como Nikkei Curitiba. ‘’Era uma festa só para os associados, com danças e alguns pratos típicos’’, relata Hermes Murakami, 51 anos, Vice Presidente Cultural II. Porém, o evento cresceu e mudou-se para a Praça do Japão. Com o número cada vez maior de frequentadores, o lugar para o evento foi repensado mais uma vez. ‘’Surgiu à opção de fazer no Barigui. Só no período que esse pavilhão estava em reforma que fizemos no Museu Oscar Niemayer, mas, depois que ficou pronto, a gente voltou pra cá’’, conta Murakami.

 

       Imagem de senhoras vestindo kimonos, uma vestimenta típica japonesa (Créditos: Talita Santos) .

 

O Imin Matsuri impressiona por mostrar algumas das tradições milenares do povo japonês. Quem já foi uma vez conta que fica motivado a ir nas próximas edições.  As danças e pratos tipicamente japoneses são um dos pontos fortes da celebração. O evento mostra outros aspectos da cultura japonesa, como karaokês com musicas asiáticas, demonstração de lutas, diversidade botânica do Japão e muito mais.

 

Todo o evento é feito por voluntários da praça de alimentação até as lojas. Segundo Murakami, ''são departamentos da nossa entidade, do Nikkei Curitiba, ou entidades ligadas à comunidade japonesa, instituições religiosas, culturais ou esportivas. Todos elas também trabalham de forma voluntária''. Ele também é coordenador do grupo do Wakaba Taiko, grupo de tambores japoneses.

 

                       Apresentação do grupo de Taiko de Curitiba no Imin Matsuri (Créditos: Talita Santos)

 

Variedades de Matsuris: as mudanças do festival

 

Existem outros tipos de Matsuris na cidade, como o Haru Matsuri. A comissão que faz o Imin é a mesma do Haru, muda apenas o foco dos eventos. Haru significa primavera em japonês, ou seja, é a comemoração da chegada da primavera, e ocorre no mês de outubro. Existe ainda o Hanna Matsuri, que é o natal budista, porém não é organizado pelo Nikkei Curitiba. 

 

Antes os eventos aconteciam em três dias, mas hoje está restrito ao final de semana. ''Não tem mais na sexta-feira porque, como disse, todos que trabalham são voluntários e têm as suas atividades. Então, é muito difícil as pessoas se organizarem um dia a mais para montar um evento que precisa de muito tempo e dedicação'', explica Hermes Murakami.  Estima-se que nos dois dias de 5 a 6 mil pessoas participaram do Imin Matsuri.

 

 

 

Please reload

Pessoas de todas as idades se rendem aos grupos de ciclistas

31.03.2020

Sem habilitação não tem trânsito seguro

17.03.2020

Um projeto de superação para além das quatro linhas

17.03.2020

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias