• Por Talita Santos

Imin Matsuri celebra a imigração japonesa no Brasil

O evento comemora a aliança brasileira com o povo do sol nascente

Entrada do evento anual Imin Matsuri (Créditos: Talita Santos) .

O Imin Matsuri é o festival anual da imigração japonesa no Brasil, que é comemorada em junho, mês que o primeiro navio chegou ao porto de Santos. São 108 anos de imigração japonesa. Curitiba comemora seu 26º ano de Imin Matsuri , evento que reúne pratos e danças típicas japonesas, exposições de bonsais, lojas e demonstrações da cultura pop asiática, entre elas os cosplays, animês e mangás.

O Matsuri surgiu dentro da Associação Cultural e Beneficente Nipo-Brasileira de Curitiba, também conhecida como Nikkei Curitiba. ‘’Era uma festa só para os associados, com danças e alguns pratos típicos’’, relata Hermes Murakami, 51 anos, Vice Presidente Cultural II. Porém, o evento cresceu e mudou-se para a Praça do Japão. Com o número cada vez maior de frequentadores, o lugar para o evento foi repensado mais uma vez. ‘’Surgiu à opção de fazer no Barigui. Só no período que esse pavilhão estava em reforma que fizemos no Museu Oscar Niemayer, mas, depois que ficou pronto, a gente voltou pra cá’’, conta Murakami.

Imagem de senhoras vestindo kimonos, uma vestimenta típica japonesa (Créditos: Talita Santos) .

O Imin Matsuri impressiona por mostrar algumas das tradições milenares do povo japonês. Quem já foi uma vez conta que fica motivado a ir nas próximas edições. As danças e pratos tipicamente japoneses são um dos pontos fortes da celebração. O evento mostra outros aspectos da cultura japonesa, como karaokês com musicas asiáticas, demonstração de lutas, diversidade botânica do Japão e muito mais.

Todo o evento é feito por voluntários da praça de alimentação até as lojas. Segundo Murakami, ''são departamentos da nossa entidade, do Nikkei Curitiba, ou entidades ligadas à comunidade japonesa, instituições religiosas, culturais ou esportivas. Todos elas também trabalham de forma voluntária''. Ele também é coordenador do grupo do Wakaba Taiko, grupo de tambores japoneses.

Apresentação do grupo de Taiko de Curitiba no Imin Matsuri (Créditos: Talita Santos)

Variedades de Matsuris: as mudanças do festival

Existem outros tipos de Matsuris na cidade, como o Haru Matsuri. A comissão que faz o Imin é a mesma do Haru, muda apenas o foco dos eventos. Haru significa primavera em japonês, ou seja, é a comemoração da chegada da primavera, e ocorre no mês de outubro. Existe ainda o Hanna Matsuri, que é o natal budista, porém não é organizado pelo Nikkei Curitiba.

Antes os eventos aconteciam em três dias, mas hoje está restrito ao final de semana. ''Não tem mais na sexta-feira porque, como disse, todos que trabalham são voluntários e têm as suas atividades. Então, é muito difícil as pessoas se organizarem um dia a mais para montar um evento que precisa de muito tempo e dedicação'', explica Hermes Murakami. Estima-se que nos dois dias de 5 a 6 mil pessoas participaram do Imin Matsuri.