O sonho de se tornar um nadador profissional

 

O percurso (que começa cedo) para tentar representar o Brasil nas Olimpíadas

 

Prova do Torneio Regional Sul de Natação válida pela categoria juvenil (Crédito: Divulgação/Clube Curitibano).

 

A natação é considerado um dos esportes mais praticados em todo o Brasil. Segundo a pesquisa realizada pelo Ministério dos Esportes em 2013, 4,9% da população brasileira pratica a natação, tornando-se o quinto esporte mais praticado no país. Ainda segundo a pesquisa, a natação foi apontada como o primeiro esporte praticado na infância por 4,9% dos entrevistados.

 

Ídolos no esporte não faltam: Fernando Scherer (Xuxa), Gustavo Borges e César Cielo são exemplos de atletas que marcaram seu nome na história da natação. Medalhistas olímpicos que começaram a nadar desde pequeno. 

 

Em busca desse mesmo sonho, Lucas Souza, 16 anos, nadador do Clube Curitibano, sonha um dia se tornar um nadador profissional e representar o Brasil nas próximas Olimpíadas. “A natação se tornou uma obsessão desde quando eu era criança. A prática da natação me ajudou desde pequeno no que sou hoje. A natação representa o meu sonho de me tornar profissional e, quem sabe um dia, representar o Brasil nas Olimpíadas”, declara.

 

Lucas contou que começou a praticar a natação por incentivo dos pais, que o levaram desde criança para piscinas em academias. “Quando eu era pequeno, meus pais me levavam para brincar na água com outras crianças e, quanto mais eu frequentava às aulas, mais queria continuar praticando”.

 

Com o passar do tempo, Lucas começou a gostar da natação e ter interesse, cada vez mais, na prática do esporte. “Comecei a gostar da ideia de competir em algo que já praticava desde a infância; com isso, comecei a evoluir dentro da natação e fui crescendo até chegar ao ponto de querer se tornar um profissional”.

 

Segundo o nadador, outro importante fator para o desenvolvimento na natação são os treinos e a alimentação realizados durante a semana. “Treino de segunda à sexta-feira, duas horas por dia, sempre buscando regrar a minha alimentação”, conta.

 

Hoje em dia, ele disputa campeonatos e procura avançar para representar o Brasil nas próximas Olimpíadas. “Comecei a disputar os campeonatos paranaenses infanto-juvenil, buscando colocar em prática o que treinador me passava nos treinos. Estou esperando ansioso o próximo campeonato em novembro ”, revela.

 

Lucas começou a acompanhar a natação nas Olimpíadas de Pequim em 2008, onde o nadador César Cielo conquistou duas medalhas olímpicas, uma de ouro nos 50 metros livres e outra de bronze nos 100 metros livres, tendo o atleta como grande ídolo na natação. 

 

“Lembro da prova em que o Cielo ganhou a medalha de ouro nos jogos de Pequim... achei emocionante a maneira que ele ganhou a prova. A partir daquele momento, decidi que queria se tornar um nadador profissional”. E completa: “espero um dia estar onde ele esteve”.

 

Com 13 medalhas olímpicas, a natação é o quinto esporte que mais garantiu medalhas para o Brasil em toda a sua história olímpica.

 

 

O benefício da natação na infância

 

Desde cedo, crianças e adolescentes são estimulados de diversas formas para a prática do esporte. O incentivo em casa, escola ou ambiente social trazem o primeiro contato da criança com o meio esportivo, buscando o divertimento em primeiro lugar e a possibilidade de se tornar um profissional no futuro.

 

Porém, o esporte contribui muito além do aspecto emocional da criança. O esporte vai além, sendo considerado por especialistas um importante aliado na construção e formação da personalidade da criança e adolescente.

 

Desde os primeiros meses, bebês são conduzidos por pais e mães para a prática da natação em piscinas, muito por conta dos benefícios que a natação agrega a saúde da criança. “Os pais trazem as crianças para a natação, buscando familiarizar a criança com a água. Aos poucos, a criança vai começando a se soltar na água, acompanhado dos pais”, comentou Anderson Correia, professor de natação da Academia Studio Corpo Livre.

 

“Nas aulas, a criança vai começando a adquirir segurança na água para começar a brincar com os demais colegas, sem os pais precisarem ficar o tempo todo na piscina”, explica  o professor.

 

O benefício tanto na parte respiratória, quanto no desenvolvimento motor da criança tornam-se um fator a mais para a prática da natação, segundo Correia. “Com a prática da natação, o sistema imunológico da criança vai se tornando cada mais fortalecido; para isto a natação trabalha a parte do domínio da respiração e o equilíbrio da criança dentro da água”.

 

Além dos benefícios na saúde, a natação contribui no papel afetivo e de socialização das crianças. “Uma importante experiência na natação é o contato entre pais e filhos. A criança busca no contato com os pais estabelecer uma relação de confiança na piscina, com isso, a prática na água com outras crianças fica mais fácil”, conta Correia.

 

A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que a prática da natação se inicie a partir dos seis meses, pois, a partir desta idade, a criança já tomou as primeiras vacinas e já tem desenvolvimento suficiente para começar a brincar na água. Segundo especialistas, a natação é um esporte que não tem contraindicação de idade para se começar a praticar.

 

Confira as fases da natação infantil:

 

Metodologia de ensino da natação Gustavo Borges (Crédito: Diego Augusto).

 

 

 

 

 

 

 

Please reload

Drone: o “zangão” moderno e seus múltiplos benefícios

09.12.2019

Pibid: programa educacional valoriza a formação de docentes

02.12.2019

Escola de Karatê em São Miguel do Iguaçu nasce na persistência e dedicação

25.11.2019

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon

Siga a Entreverbos

Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo