Libras: língua contribui para uma educação melhor

A forma como o surdo é visto mudou ao longo dos anos; da proibição ao reconhecimento da sua importância, as línguas de sinais fazem parte dessa história
 

  Thayse Goulart Strazzi faz o sinal de livro em Libras. (Crédito: Liliane Jochelavicius)

 

Quando as instituições de atendimento a surdos surgiram, elas tinham uma visão voltada para a reabilitação. O foco não era apenas educar, mas que o surdo adquirisse a língua portuguesa oral. A surdez era vista como uma patologia a ser curada. Dentro dessa perspectiva, encaixa-se o uso de próteses auditivas ou do implante coclear, como explica o

responsável pelo departamento de surdez na Secretaria de Estado da Educação (SEED), Júlio Cesar Correia Carmona.

 

Na década de 1970 perdurou a Comunicação Total, que era o uso de técnicas para a aquisição da língua oral e do português escrito. A língua de sinais era apenas um recurso que poderia ser utilizado.

 

>>> Libras:  Lei completa 15 anos

 

A política atual adotada pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC) e também pela SEED é a do bilinguismo, que é o respeito da Libras como língua natural das pessoas surdas e o uso do português escrito. Carmona conta, a partir de pesquisa realizada pelo psicólogo Fernando Capovilla, que o bilinguismo é a melhor opção de educação para surdos que usam a Libras. Por outro lado, a inclusão, em escola regular com intérprete, pode ser boa opção para o deficiente auditivo que não tem a Libras como sua primeira língua.

 

Na linha do tempo abaixo é possível acompanhar algumas das principais mudanças na educação de surdos.

 

 Linha do tempo Libras e edcuação. (Fonte: MEC e INES/ Crédito: Liliane Jochelavicius)

 

 

Dificuldades enfrentadas

 

Jeanen Pavlovski Machado, que é especialista em Educação Especial e Bilinguismo, e trabalha com atendimento aos surdos na Lapa, diz que o grande problema enfrentado pelos interpretes é não ter acesso ao conteúdo de aula com antecedência. Em razão da Libras ter estrutura diferente do português, é preciso que muitas informações

sejam adaptadas para que os surdos entendam.

 

Para deixar clara as dificuldades, Jeanen conta que, por exemplo, foi um desafio explicar a alunos surdos o que é um cão vira-lata. Para isso, precisou buscar imagens de cães de raça, sem raça, de rua e procurando alimento em latas de lixo, a fim de esclarecer o conteúdo do texto que estavam estudando. Isso acontece porque o português e a Libras não são línguas correspondentes, e a comunicação do surdo é visual e não auditiva.

 

Há dificuldades enfrentadas na educação de surdos, assim como há na educação de ouvintes. Segundo a especialista, o que aumenta o desafio é o fato de, muitas vezes, as aulas não serem pensadas para eles. É aí que o intérprete de Libras precisa encontrar estratégias para tornar o conteúdo mais compreensível. As aulas normalmente não têm os recursos visuais necessários para o aprendizado de um estudante surdo.

 

Thayse Goulart Strazzi, que é surda e estudou em escola regular, relata sua experiência:

 

 Thayse Goulart Strazzi conta sua experiência com estudante surda em escola regular. (Crédito: Liliane Jochelavicius)

 

 

Ensino superior

 

A disciplina de Libras começou a ser ofertada nos cursos de graduação de forma gradativa. Como previsto no Decreto 5.626/2005, em geral ela está nos cursos de Fonoaudiologia e de formação de educadores, como Pedagogia, Licenciaturas e especializações em Educação Especial.

 

Em 2006, começou o primeiro curso de Letra-Libras, oferecido pela Universidade Federal de Santa Catarina, com polos nas cinco regiões do Brasil. Nesse curso, a Libras é a língua de instrução e a preferência é dada a estudantes surdos. No mesmo ano foi realizado o primeiro Programa Nacional para a Certificação de Proficiência no Uso e Ensino da Língua Brasileira de Sinais - Libras e para a Certificação de Proficiência em Tradução e Interpretação da Libras/Língua Portuguesa (Prolibras).

 

Em 2012 foi inaugurado o campus Palhoça-Bilíngue do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, primeira unidade bilíngue (libras-português) da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Em Curitiba, o Curso de Letras-Libras da Universidade Federal do Paraná teve sua primeira turma em 2015. Agora a Faculdade São Braz também oferece o curso.

Please reload

Pessoas de todas as idades se rendem aos grupos de ciclistas

31.03.2020

Sem habilitação não tem trânsito seguro

17.03.2020

Um projeto de superação para além das quatro linhas

17.03.2020

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias