Homeschooling: crianças alfabetizadas em casa

Mesmo não legalizada, a prática vem aumentando nas famílias brasileiras a cada ano

Método do ensino domiciliar, mesmo sendo considerado ilegal, acontece em diversas famílias brasileiras. (Créditos: Liceu Rocha)

 

Homeschooling (ensino domiciliar), como o próprio nome diz, é aquele em que a criança é alfabetizada geralmente pelos próprios pais, que lecionam na residência. Diferente do ensino regular, no qual a criança cumpre uma carga horária em escola, a prática vem ganhando adeptos e gerando críticas e problemas a quem decide adotá-la.

 

Pode-se dizer que o homeschooling teve início antes da obrigatoriedade escolar, na qual a educação era promovida no âmbito das famílias, por dificuldades de se deslocar até uma unidade de ensino ou por outros motivos. A controvérsia no Brasil se deve ao fato de a prática não ser nem proibida, nem liberada. O artigo 26.3 da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) reconhece a prerrogativa dos pais à escolha do tipo de educação que seus filhos deverão receber.

 

Porém, muitos consideram que educar os filhos em casa, não os matriculando no ensino regular ,pode ser considerado crime.  Segundo o Art. 246 do código penal – “Deixar, sem justa causa, de prover a instrução primária de filho em idade escolar. Pena: 15 (quinze) dias a 1 (um) mês, ou multa”, ou seja, não matricular o filho na rede regular de ensino tipifica o crime de abandono intelectual.

 

Mesmo com o artigo citado anteriormente, o número de famílias que estão adotando a educação familiar vem aumentando a cada ano. Uma pesquisa realizada pela Associação Nacional de Educação Domiciliar (Aned), realizada em todos os estados brasileiros, mostrou que em 2016 mais de 3 mil famílias educavam os filhos em casa, quase o dobro do que em 2015. Dessa maneira, Alexandre Magno Fernandes Moreira, diretor jurídico da Aned, afirma que a prática não é ilegal, apesar das complicações.

 

No gráfico abaixo pode-se acompanhar o crescimento do número de lares que aderiram ao ensino doméstico no Brasil nos últimos anos:

 

Cresce o número de famílias brasileiras praticantes do Homeschooling.  (Fonte: Aned/ Crédito: Barbara Carvalho)    


A nível mundial, Estados Unidos é o país que mais educa crianças dessa maneira, com mais de dois milhões sendo alfabetizadas em casa. Países da Europa como França, Noruega e Finlândia também são adeptos. Países como Alemanha abominam a prática, sendo tratada como crime.

 

No Brasil, famílias que querem aderir ao homeschooling devem recorrer à lei. Em 2011, uma família de Maringá, interior do Paraná, ganhou na Justiça o direito de educar os filhos em casa, após retirá-los da escola, tendo que passar regularmente por avaliações escolares e psicológicas. Também existem casos em que os pais recorreram a Justiça, mas foram condenados por abandono de intelecto, caso já aconteceu em Minas Gerais.

 

Opinião de especialista

 

Paula da Silva Inácio Pereira, pedagoga que trabalha na área infantil,  não defende a prática de educar os filhos em casa. Segundo ela, “pensando no desenvolvimento global de uma criança, não tem como eu defender que é melhor o que a gente pensa que tem que ser... O melhor é ter pessoas especialistas, que tenham formação, que sabem quais são as funções e encaminhamentos necessários para estimular uma criança”.

 

Um dos motivos ressaltados por Paula para os pais não utilizarem esse tipo de ensino é a falta de fiscalização. Por não ser uma modalidade autorizada em lei, “não tem política que ampare e que dê respaldo”, diz.

 

Alguns fatores podem ser ressaltados como motivos para os pais decidirem retirar seus filhos da escola. De acordo com a pedagoga,  “é muito complicado para os pais manterem os filhos em escola integral, o que acaba levando para o ensino doméstico. E outros não confiam no trabalho dos profissionais que ali estão”.

 

Pensando no lado positivo do homeschooling, Paula diz que “pensar que a criança possa ter um espaço acolhedor que seja não tão institucionalizado com práticas tradicionais é interessante, mas nós também podemos pensar em escolas com todo esse amparo, que  desenvolvam práticas em que essa criança seja cada vez mais acolhida e que a educação infantil seja cada vez menos tradicional”.

 

 

 

 

Please reload

Pessoas de todas as idades se rendem aos grupos de ciclistas

31.03.2020

Sem habilitação não tem trânsito seguro

17.03.2020

Um projeto de superação para além das quatro linhas

17.03.2020

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias