Homeschooling: crianças alfabetizadas em casa

Mesmo não legalizada, a prática vem aumentando nas famílias brasileiras a cada ano

Método do ensino domiciliar, mesmo sendo considerado ilegal, acontece em diversas famílias brasileiras. (Créditos: Liceu Rocha)

 

Homeschooling (ensino domiciliar), como o próprio nome diz, é aquele em que a criança é alfabetizada geralmente pelos próprios pais, que lecionam na residência. Diferente do ensino regular, no qual a criança cumpre uma carga horária em escola, a prática vem ganhando adeptos e gerando críticas e problemas a quem decide adotá-la.

 

Pode-se dizer que o homeschooling teve início antes da obrigatoriedade escolar, na qual a educação era promovida no âmbito das famílias, por dificuldades de se deslocar até uma unidade de ensino ou por outros motivos. A controvérsia no Brasil se deve ao fato de a prática não ser nem proibida, nem liberada. O artigo 26.3 da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) reconhece a prerrogativa dos pais à escolha do tipo de educação que seus filhos deverão receber.

 

Porém, muitos consideram que educar os filhos em casa, não os matriculando no ensino regular ,pode ser considerado crime.  Segundo o Art. 246 do código penal – “Deixar, sem justa causa, de prover a instrução primária de filho em idade escolar. Pena: 15 (quinze) dias a 1 (um) mês, ou multa”, ou seja, não matricular o filho na rede regular de ensino tipifica o crime de abandono intelectual.

 

Mesmo com o artigo citado anteriormente, o número de famílias que estão adotando a educação familiar vem aumentando a cada ano. Uma pesquisa realizada pela Associação Nacional de Educação Domiciliar (Aned), realizada em todos os estados brasileiros, mostrou que em 2016 mais de 3 mil famílias educavam os filhos em casa, quase o dobro do que em 2015. Dessa maneira, Alexandre Magno Fernandes Moreira, diretor jurídico da Aned, afirma que a prática não é ilegal, apesar das complicações.

 

No gráfico abaixo pode-se acompanhar o crescimento do número de lares que aderiram ao ensino doméstico no Brasil nos últimos anos:

 

Cresce o número de famílias brasileiras praticantes do Homeschooling.  (Fonte: Aned/ Crédito: Barbara Carvalho)    


A nível mundial, Estados Unidos é o país que mais educa crianças dessa maneira, com mais de dois milhões sendo alfabetizadas em casa. Países da Europa como França, Noruega e Finlândia também são adeptos. Países como Alemanha abominam a prática, sendo tratada como crime.

 

No Brasil, famílias que querem aderir ao homeschooling devem recorrer à lei. Em 2011, uma família de Maringá, interior do Paraná, ganhou na Justiça o direito de educar os filhos em casa, após retirá-los da escola, tendo que passar regularmente por avaliações escolares e psicológicas. Também existem casos em que os pais recorreram a Justiça, mas foram condenados por abandono de intelecto, caso já aconteceu em Minas Gerais.

 

Opinião de especialista

 

Paula da Silva Inácio Pereira, pedagoga que trabalha na área infantil,  não defende a prática de educar os filhos em casa. Segundo ela, “pensando no desenvolvimento global de uma criança, não tem como eu defender que é melhor o que a gente pensa que tem que ser... O melhor é ter pessoas especialistas, que tenham formação, que sabem quais são as funções e encaminhamentos necessários para estimular uma criança”.

 

Um dos motivos ressaltados por Paula para os pais não utilizarem esse tipo de ensino é a falta de fiscalização. Por não ser uma modalidade autorizada em lei, “não tem política que ampare e que dê respaldo”, diz.

 

Alguns fatores podem ser ressaltados como motivos para os pais decidirem retirar seus filhos da escola. De acordo com a pedagoga,  “é muito complicado para os pais manterem os filhos em escola integral, o que acaba levando para o ensino doméstico. E outros não confiam no trabalho dos profissionais que ali estão”.

 

Pensando no lado positivo do homeschooling, Paula diz que “pensar que a criança possa ter um espaço acolhedor que seja não tão institucionalizado com práticas tradicionais é interessante, mas nós também podemos pensar em escolas com todo esse amparo, que  desenvolvam práticas em que essa criança seja cada vez mais acolhida e que a educação infantil seja cada vez menos tradicional”.

 

 

 

 

Please reload

Jovens LGBT enfrentam preconceito dentro de casa

18.11.2019

Ser bilíngue significa expandir os horizontes

11.11.2019

Terror destaca cinema nacional

04.11.2019

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon

Siga a Entreverbos

Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo