TV 3D: a tecnologia que não pegou

Samsung, LG e Sony já declararam que tecnologia 3D em televisores será abandonada

 

Ao contrário das tartarugas, televisores com tecnologia 3D tiveram vida curta: menos de nove anos. (Crédito: LG divulgação)

 

“Não pegou”, assim resumiu o mestre em hipermídia Lucas Thimóteo a respeito da tecnologia 3D. “Cara e desconfortável”, são outros adjetivos utilizados pelo publicitário autor da dissertação ‘Através do espelho: cenas da pós-modernidade na ficção de Lost’, defendida na Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO).

 

Thimóteo explica que ao lado do Blu-Ray, o 3D compete pelo posto da tecnologia que teve a menor vida útil no mercado. Foram menos de oito anos desde o lançamento até o anúncio do fim da produção “Em um momento em que se busca eliminar o material em prol de suportes cada vez mais leves, o 3D foi na direção oposta, trazia um pesado e custoso aparato material, ou seja, surgiu no momento errado, na hora errada”, comenta Thimóteo.

 

O anúncio de que televisores 3D deixariam de ser fabricadas aconteceu em fevereiro de 2016 pela Samsung. Os óculos já foram descontinuados em 2015. A LG e a SONY, outras fabricantes da tecnologia, diminuirão gradativamente a fabricação até encerrá-la definitivamente em 2017.

 

Em nota enviada ao site sul-coreano especializado em tecnologia etnews.com, a Samsung anunciou em 4 de fevereiro de 2016 que desde 2015, já não atendia pedidos para óculos 3D. A demanda agora está nas novas tecnologias, como a SmarTV e a 4k.

 

Tim Alessi, diretor de desenvolvimento de novos produtos da LG, disse à CNET que o 3D "ainda continua a ser um importante recurso para muitos consumidores”, e, por isso, “o recurso estará disponível apenas em aparelhos top de linha que serão modelos 4K OLED e LED LCD de alta qualidade”.

 

Ele ainda afirma que “a tecnologia 3D nunca chegou a ser abraçada pelos consumidores e o recurso não se mostrou ser um fator determinante de compra. Nós decidimos deixar o 3D em 2017 para concentrar nossos esforços em novas capacidades, como o HDR, que tem um apelo muito mais universal”. A Sony seguiu na mesma linha. Ao mesmo site, o porta-voz disse que “baseado nas tendências de mercado nós decidimos descontinuar nossos modelos 3D para 2017”.

 

 

Passo a passo de um fracasso

 

Infográfico da curta vida dos televisores 3D (Crédito: Clóvis Pedrini Jr/EntreVerbos)

 

Apesar de nunca ter emplacado com força, a decadência do 3D começou definitivamente quando a BBC definiu cancelar suas produções que disponibilizavam o recurso. Logo em seguida foi a vez da Sky relegar o 3D a um serviço OnDemand.

 

De acordo com pesquisa realizada pelo NPD group, a venda dos aparelhos 3D vem diminuindo ano a ano, desde 2010, ano do lançamento mundial. No seu ápice, em 2012, a TV 3D chegou a representar 23% dos aparelhos vendidos nos Estados Unidos. Em 2015, foi de 16% e em 2016, apenas 8% do total de aparelhos comercializados.

 

Lucas Thimóteo atribui outro fator para explicar o fracasso da tecnologia 3D: o alto custo das produções e dos aparelhos. “A indústria percebeu muito rapidamente que o retorno do investimento em um filme produzido em 3D não valia a pena. Os cinemas também não viram grandes vantagens em ter de reformular suas salas ”. Esse alto custo nas produções era repassado ao consumidor final.  

 

 

O consumidor pagou a conta

 

A assistente social Alini Cristini Neves é uma das que investiu mais de R$ 3.000,00 em uma televisão 3D há quatro anos atrás. “Na verdade, a TV foi um dos presentes de casamento que ganhamos e, na época, optamos pela 3D”, justifica-se.

 

Quanto ao uso da TV, até hoje é um enigma para Alini. “No começo tudo era novidade. Assistimos dois ou três filmes em 3D, mas ficar com aqueles óculos por quase duas horas chegava a me dar dor de cabeça”, afirma. “Depois ficou cada vez mais difícil encontrar programas que ofereciam o recurso e hoje os óculos devem estar em alguma gaveta da casa”, afirma Alini, que termina dando uma sugestão bem clara: “Não comprem” (risos).

 

 

Lojas estão deixando de comercializar televisores 3D (Crédito: Reprodução/Site Ponto Frio)

 

A reportagem visitou algumas lojas de eletrodomésticos em Curitiba para fazer ao menos uma foto de um televisor 3D, porém não obteve sucesso. Aquelas que ainda trabalham com o modelo aceitam apenas encomendas mediante consulta do estoque.

 

Para quem ainda busca uma TV 3D, é importante saber que até mesmo o suporte técnico especializado será aos poucos abandonado pelas fabricantes. Ou seja, os televisores 3D estão se acomodando ao lado do videocassete e dos aparelhos de DVD, no museu da tecnologia sucateada. Ou, como definiu o site britânico pocket-lint, o 3D está oficialmente morto.

Please reload

Pessoas de todas as idades se rendem aos grupos de ciclistas

31.03.2020

Sem habilitação não tem trânsito seguro

17.03.2020

Um projeto de superação para além das quatro linhas

17.03.2020

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias