Com foco na defesa pessoal, Hapkido tem mais de 10 mil golpes

Adaptar-se a qualquer adversário é o objetivo da modalidade

 

Exercícios de respiração iniciam a aula de Hapkido. (Crédito: Icaro Couto)

 

Socos, chutes, rolamentos, escapes, esquivas, torções, alongamentos e técnicas de respiração fazem parte dos exercícios do Hapkido, arte marcial coreana. São mais de dez mil golpes, de acordo com a Confederação Brasileira de Hapkido (CBHKD). O uso de diversos tipos de armas também é comum na modalidade, especializada na defesa pessoal.

 

Segundo a CBHKD, o Grão Mestre Young Sool Choi e o Grão Mestre Ji Han Jae são os fundadores do Hapkido. Com a filosofia de ‘lutar por seus objetivos’, a arte marcial se espalhou e, com o passar do tempo, recebeu influência dos países vizinhos, como a China e o Japão. Ainda de acordo com a confederação, a modalidade chegou no Brasil em 1977, com o discípulo direto dos fundadores, o Grão Mestre Yun Sik Kim.

 

Em 2006, já faixa preta em Taekwondo, Felippo Volpe começou a fazer aulas de Hapkido. Com experiência em artes marciais, Volpe não demorou muito para se tornar faixa preta na modalidade em 2008, mesmo ano em que conquistou o primeiro título mundial no esporte. Hoje ele é professor da modalidade.

 

A preparação física é uma das vantagens proporcionadas pela modalidade. Volpe comenta que a arte marcial trabalha a autoestima, autocontrole e autoconfiança. “O desenvolvimento de diversos valores, como respeito, cortesia, lealdade, solidariedade, entre outros, também fazem parte dos benefícios do Hapkido”, destaca.

 

O professor lembra que cada aula é diferente, mas, em geral, há exercícios físicos para aquecimento, alongamento e treinamento técnico. Sobre as dificuldades, ele comenta que varia de aluno para aluno, mas destaca a inclusão em suas aulas. “O Hapkido é para todos, sem distinção de idade, gênero ou condições físicas”, ressalta.

 

Paula Schoen, por meio de indicação de um amigo, iniciou as aulas de Hapkido há um ano com o professor Felippo Volpe. Ela conta que a atividade traz uma melhora na percepção do dia a dia e reações rápidas, tanto físicas quanto mentais. “É uma boa forma de descarregar energia e praticar um esporte e manter a saúde física e mental”, comenta.

 

Paula é uma das duas mulheres na sua turma de Hapkido. De início, o fato de ter mais homens que mulheres foi desafiador, mas, como respeito mútuo e o incentivo dos colegas, a interação não se tornou um problema. Ela diz que, ambos, homens e mulheres, aprenderam a se comportar um com o outro na hora de ensinar e aprender.  

De aluno a professor

 

Leonardo Hasse já fez capoeira, muay thai e jiu jitsu, mas foi o Hapkido que o fascinou. Conheceu a modalidade pesquisando na internet e já treina há seis anos.

 

Sua paixão pelo Hapkido não ficou somente nas aulas, foi além. Hoje, a modalidade já é parte da vida de Hasse. Foi assim que o aluno virou professor. Ensinando em sua própria casa, ele tenta em suas aulas diminuir a dificuldade inicial da arte marcial, desenvolvendo as técnicas. “Tento aprimorar individualmente cada aluno, de acordo com suas necessidades”, explica.

 

As aulas de Hasse começam com um aquecimento, mas é no final de cada combate que a saúde, o respeito e a seriedade também são exercitadas. Para ele, o Hapkido é uma modalidade completa, pois oferece luta em pé, no chão e imobilizações de defesa no geral. “O Hapkido faz parte da minha vida. Eu não consigo ficar sem treinar”.

 

 

 

 

Please reload

Jovens LGBT enfrentam preconceito dentro de casa

18.11.2019

Ser bilíngue significa expandir os horizontes

11.11.2019

Terror destaca cinema nacional

04.11.2019

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon

Siga a Entreverbos

Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo