Slam: a poemização do marginal

06.11.2017

Competição de poesia é promovida no Largo da Ordem e utiliza as redes sociais como meio de divulgação

 Poeta levanta livro durante poesia. (Crédito: Matheus Wittkowski)

 

Slam é um evento que tem como objetivo ocupar locais marginalizados para realização de “Batalha de poesias”. Organizado em local público, a partir das ideias de resistência e apropriação, a competição causa mais engajamento entre os movimentos sociais, ativistas, músicos e estudantes. O Slam surgiu nos bairros suburbanos dos Estados Unidos na década de 1980 e tornou-se popular no Brasil através do Slam Resistência, na praça Roosevelt de São Paulo.

 

Este ano surgiu em Curitiba o Slam Contrataque, que é o primeiro da cidade. Giovanna Rosa e Emerson Nogueira são idealizadores do evento e se conheceram no Slam Verbo Divino em São José dos Pinhais. Em conversa informal, eles notaram que esse tipo de programação poderia ter um bom alcance, e teve.

 

Emerson Nogueira explica o conceito e objetivo do evento: “A gente vê o Slam como uma forma de combater todo tipo de opressão, além de uma ferramenta política para expor os problemas que as pessoas enfrentam; nós encontramos uma forma de reconhecer esses problemas através da arte”.

 

Os idealizadores incentivam principalmente poesias que sirvam de contraponto à perspectiva da mídia e que exponham as deficiências da cidade e problemas sociais. O retorno do público tem sido bem melhor que o imaginado, segundo Giovanna. Ela ainda diz que é uma oportunidade de dar voz aos que não são escutados no contexto social curitibano.

  

O escritor e professor Célio Roberto Pereira frequenta o evento como poeta. Para ele, o fato de ser organizado em praça pública torna a programação mais notável e tem poder de alcançar pessoas que precisam ouvir o lado dos oprimidos socialmente. Pereira conclui que o Slam é um exemplo prático da popular frase dita no Hip Hop: "É nós, por nós mesmos”. 

 

Gabriela Carneiro tem um blog de poesias e participa ativamente do evento. Para a blogueira, a programação é importante para a poesia, que é um gênero literário que estava ficando esquecido nos últimos anos. “Acredito que vai disseminar essa cultura para as pessoas que não têm acesso e vai incentivar os escritores e poetas anônimos da capital paranaense”.

 

“Sabe aquela história de cada um fazer sua parte? Eu acho que é o caso do Slam Contrataque, cada pessoa vai com suas palavras de protesto e questionamentos e já está fazendo algo para mudar”, afirma Pedro Henrique , estudante de Química da Universidade Federal do Paraná. Emerson Nogueira conta uma das histórias inusitadas que já aconteceu no evento:

 

 

 

Como funciona o Slam

 

As poesias não têm censura, mas devem ser autorais e não podem ser repetidas de eventos anteriores. As inscrições são feitas 15 minutos antes do evento e as apresentações podem ter até três minutos.

 

Antes de começar a programação, os organizadores pedem ao público quatro voluntários para serem juízes. Esses juízes emitem notas de 0 a 10 para as apresentações.

 

Após todos os poetas recitarem são selecionadas aqueles com notas mais altas, que irão se apresentar novamente na segunda etapa. Os vencedores são decididos através de barulhos e palmas feitos pelo público. Os finalistas são premiados com livros.

 

  Finalistas da competição. (Crédito: Matheus Wittkowski)

 

Please reload

Pessoas de todas as idades se rendem aos grupos de ciclistas

31.03.2020

Sem habilitação não tem trânsito seguro

17.03.2020

Um projeto de superação para além das quatro linhas

17.03.2020

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias