No Brasil, queimaduras levam à morte 2 mil pessoas por ano

A doação de pele pode ajudar pessoas com queimaduras e doenças de pele

 

Para ser um doador de pele, é importante avisar sua família (Crédito: Pixabay) 

 

As queimaduras são responsáveis por mais de 2 mil mortes por ano no Brasil, conforme dados do Departamento de Banco de Peles do Hospital Evangélico. Isso poderia ser, em muitos casos, evitado com a doação de pele. Esse tipo de doação ajuda pessoas que sofreram queimaduras ou sofrem com doenças de pele. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), é recomendado que exista um banco de doação de pele para cada município com população maior que 500 mil habitantes.

 

Curitiba tem um dos maiores bancos de pele do Paós, que é o do Hospital Evangélico. A instituição iniciou seu projeto no ano de 2009 para arrecadação de recursos, mas só em 2013 foi autorizada a funcionar como banco de pele, com o objetivo de ampliar a disponibilidade da doação de pele em todo o território nacional.

 

Gisele da Silva* é mãe de Leonardo*, de seis anos. Ele sofreu queimaduras de terceiro grau há dois anos em um acidente doméstico e ficou cinco meses internado no Hospital Evangélico de Curitiba. Devido à gravidade das queimaduras, precisou passar por sessões de enxerto. “Na verdade, ele conseguiu fazer o autoenxerto, com a pele dele mesmo, retirada de outros locais do corpo, mas o tempo que passei lá vi muitas pessoas com casos bem piores e, em muitos casos, o banco de pele foi essencial para a recuperação", declara.

 

A doação de pele segue os critérios do Sistema Nacional de Transplante e só pode ser feito com autorização dos familiares. Por isso, assim como é feito para doação de órgãos, é importante avisar as famílias do desejo da doação.

 

* Os nomes são fictícios porque as fontes preferiram não se identificar.

 

Porque doar pele?

  • A pele serve como uma barreira que protege contra infecções, o que também diminui o risco de contaminações, pois as queimaduras de terceiro grau perdem as defesas e ficam expostas a vírus, bactérias e fungos.

  • O paciente passa por menos cirurgias, o que diminui o sofrimento.

  • Menor tempo de internação e uso de antibióticos, consequentemente, diminui os custos do tratamento.

  • Possibilidade de enxertos precoces.

 

Como é feita a doação?

 

Os doadores devem ter de 14 a 60 anos. Depois da autorização da família, as camadas mais superficiais da pele são retiradas tratadas e transplantadas. Geralmente são retiradas as camadas de pele das costas e coxas. Após a retirada, a pele entra em um processo de 40 dias para verificar possíveis contaminações. Depois dos testes, a pele é congelada e pode ficar armazenada do banco de pele por até dois anos.

 

Segundo informações do Departamento de Banco de Peles do Hospital Evangélico, muitas vezes a doação de pele não é autorizada pela família porque acreditam que isso irá prejudicar o doador. “Depois do falecimento, a família é perguntada sobre a possível doação, mas, muitas vezes, ela não é autorizada por acreditarem que vai desfigurar o doador".

 

É possível realizar vários tipos de enxertos nos casos de queimaduras, que dependem de uma avaliação médica. Veja os tipos no quadro abaixo:

  • Autoenxerto — o receptor recebe a pele do próprio organismo;

  • Isoenxerto — a doação de pele é retirada do irmão gêmeo univitelino do receptor;

  • Aloenxerto (homoenxerto) — o receptor recebe a pele de outro doador, que é da mesma espécie;

  • Xenoenxerto (heteroenxerto) — o receptor recebe pele de animal de outra espécie (comumente, de porcos).

Ainda são poucos os bancos de pele. No Brasil, atualmente, existem quatro. Veja onde estão localizadas:

 

 

(Crédito: Letícia Carstenzen)

 

Please reload

Pessoas de todas as idades se rendem aos grupos de ciclistas

31.03.2020

Sem habilitação não tem trânsito seguro

17.03.2020

Um projeto de superação para além das quatro linhas

17.03.2020

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias