Curitiba registra até 9 casos de picadas de aranha-marrom nos meses mais quentes

Podendo levar a região afetada à necrose, picada é perigosa por não ser dolorosa e passar despercebida

 

As aranhas-marrons se escondem em roupas, toalhas e calçados. (Crédito: Divulgação / Pixabay).

 

A aranha-marrom é um aracnídeo do gênero Loxosceles que, apesar de não ser agressivo, tem picada venenosa, não dolorosa, e, por isso, em alguns casos, acaba passando despercebida. Segundo a Secretaria de Saúde, a aranha é muito comum em Curitiba e Região Metropolitana, e os locais onde ocorrem os acidentes mais graves são as regiões dos bairros Sítio Cercado e São Braz. 

 

De acordo com a Secretaria, o aracnídeo habita locais escuros, quentes e secos. É pequeno, medindo, na fase adulta,  aproximadamente 4cm. Sua tonalidade é marrom e apresenta perna fina e longa. A fêmea, ao longo de sua vida, pode ter, em média, 250 filhotes. A teia da aranha-marrom tem um aspecto variável e ela costuma se alimentar de pequenos animais e insetos.

 

Apenas na década de 1990, estas aranhas passaram a frequentar as residências, devido ao desmatamento e ao aumento das temperaturas - derivadas do aquecimento global. A falta de predadores naturais, dos quais elas se alimentam, também contribuiu para sua disseminação no ambiente urbano.

 

De acordo com a chefe de fauna sinantrópica da Prefeitura de Curitiba, Cláudia Staudacher, as aranhas-marrons são encontradas mais na área urbana. “Elas têm um hábito domiciliar, e não são agressivas”, explica. Cláudia conta o que aconteceria se ela vivesse na natureza, ouça aqui.

 

Cláudia Staudacher explica um fator interessante sobre o cuidado com o aracnídeo. "Em Curitiba, quando algumas pessoas sabem sobre escorpiões, elas ficam muito mais alarmadas do que quando é dito sobre a aranha-marrom. Sendo que, a maioria das espécies de escorpiões é praticamente inofensiva, em relação a picada da aranha. É tão comum e banal a presença das aranhas-marrons na cidade que as pessoas se preocupam mais com as vespas e com os escorpiões." 

 

Segundo a Secretaria de Saúde, 60% das ocorrências de picadas de aranha-marrom acontece entre os meses de novembro e março. Neste período, são registrados mais de nove casos por dia. Isso acontece porque quando chega o calor, o metabolismo da arranha-marrom aumenta e ela precisa sair para caçar.

 

O aracnídeo é comum em todo o mundo e é um dos mais venenosos no Brasil (Crédito: Divulgação / Pixabay)

 

 Sintomas e cuidados relacionados à picada

 

Os sintomas dependem da quantidade do veneno injetado no corpo e de como cada organismo vai reagir. Mas, normalmente, no início (nas primeiras 8 ou 10 horas) os sinais são a vermelhidão, queimação, inchaço e coceira, acompanhada de uma mancha roxa e bolhas.

 

Depois de alguns dias, outros sinais aparecem, como dores no corpo, mal-estar, febre, náusea e necrose da região da picada - podendo deixar sérias cicatrizes. Em alguns casos, as pessoas podem até entrar em coma.

 

Várias precauções devem ser tomadas para evitar acidentes. Manter os locais bem arejados, limpos e evitar o acúmulo de materiais nos quintais de casa são algumas delas. Cuidados antes de dormir não podem ser esquecidos, afinal, a maioria das picadas ocorrem durante à noite, quando as aranhas saem em busca de alimentos e acabam se escondendo em roupas, chinelos, lençóis e cobertas. Ouça aqui sobre outros esconderijos da aranha-marrom, segundo Cláudia Staudacher. 

 

O uso de inseticida para tentar exterminar as aranhas não é recomendável, pois elas tornam-se resistentes ao produto e ainda auxilia no desaparecimento de outras espécies pequenas. Quando ocorre qualquer tipo de acidente com animais peçonhentos, recomenda-se lavar instantaneamente o local, com água e sabão. 

 

Segundo o veterinário Ricardo Simões, o veneno da aranha-marrom tem o efeito quebra tecidual - dissolve a estrutura dos tecidos que encontra. Feito para "digerir" as pequenas presas que ela caça, no caso dos seres humanos, o veneno desfaz os tecidos e quando entra na corrente sanguínea, danifica principalmente os rins. O objetivo é matar sua presa, portanto, ela pica o ser humano apenas como defesa. O veterinário ainda afirma que no caso de picadas tanto de aranha quanto de cobra não se deve fazer torniquete, saiba aqui o porquê.

 

A Secretaria da Saúde do Estado do Paraná já desenvolveu um soro feito do veneno da aranha-marrom, que é utilizado para neutralizar os efeitos da picada. Estudos demonstraram que o soro tem poder para diluir coágulos de sangue.


Para esclarecimentos sobre diagnóstico e tratamento de acidentes domésticos por animais peçonhentos basta ligar para o Centro de Controle de Envenenamentos (CCE): 0800 41 0148.

 Os fios das teias são produzidos através das glândulas localizadas no abdômen das aranhas. (Crédito: Divulgação / Pixabay)

 

Please reload

Pessoas de todas as idades se rendem aos grupos de ciclistas

31.03.2020

Sem habilitação não tem trânsito seguro

17.03.2020

Um projeto de superação para além das quatro linhas

17.03.2020

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias