O carnaval que nasceu graças à cuíca

08.03.2018

Instrumento influenciou na história da festa em Curitiba

 

A cuica do Divino,  compositor que aprendeu muito com Maé da Cuica (Evandro Tosin)

 

Ismael Cordeiro da Silva, apelidado de Maé da Cuica, é considerado o precursor do samba na capital paranaense. Fundou a primeira escola na década 40, a Colorado. Ismael foi também responsável pela modernização e organização das escolas. Na Vila Tassi, região do Jardim Botânico, foi onde começaram as rodas de samba e os ensaios. O músico faleceu em 2012, com 85 anos. Maé tinha o samba no coração e criava melodias. Foi primeiro sambista da cidade e tinha como instrumento preferido a cuíca. Todas essas histórias são retratadas no documentário “Maé da Cuíca, Vila Tassi e a Bateria Boca Negra”, produzido por Nivaldo Lopes e Eduardo Prante.

 

A cuíca tem uma sonoridade que envolve pessoas, com agudos, médios e graves. É semelhante à voz humana e a dos animais, como uma espécie de grunhido. O instrumento chegou ao Brasil trazido por afro-descentes do norte da África. Logo foi acolhida no carnaval brasileiro, mantendo até hoje relação forte com a festividade.

 

Avaliação do carnaval de 2018

 

Cuíca, surdo, tamborim, pandeiro, reco-reco, violão, cavaquinho e o bandolim. Quando estes instrumentos se unem, os sons ecoam e transformam o ambiente. A vontade é de sambar: público, membros das escolas e até mesmo crianças entram no ritmo.

Durante a tarde, a Marechal Deodoro foi palco do bailinho infantil e dos blocos carnavalescos. Depois, foram os desfiles das escolas da divisão de acesso e do grupo especial que agitaram a noite de carnaval. De acordo com a prefeitura, o desfile das escolas de samba, no dia 10 de fevereiro, reuniu 30 mil pessoas.  A Fundação Cultural de Curitiba (FCC) foi responsável pela organização do evento.

 

O prefeito de Curitiba Rafael Greca compareceu ao desfile dos grupos especiais. “Eu adoro o carnaval, é com alegria que podemos produzir o carnaval, e Curitiba tem grandes escolas de samba”, afirmou Greca.

 

A idade e a nacionalidade pouco importam nesse dia. Até mesmo chilenos, venezuelanos, colombianos compareceram no local. Antonia, turista do Chile, acompanhou o evento e disse que o Carnaval em seu país é diferente, em relação ao de Curitiba, e ainda elogiou. “É muito lindo”, afirmou.

 

A Acadêmicos da Realeza emocionou com homenagem ao apresentador Chacrinha e ficou em 2º lugar na divisão especial (Crédito: Evandro Tosin)

 

Na avenida

 

A primeira escola de samba que se apresentou foi a Enamorados do Samba, na avenida retratou a importância da ecologia e da sustentabilidade. O grupo só tem sete meses de fundação.

 

No grupo de acesso, a escola Enamorados do Samba foi a campeã, estremeceu a avenida com o som da bateria. “Eu desfilo desde quando eu era pequena, desde os meus 10 anos, estar representando uma bateria, é uma realização de um sonho”, afirmou Amanda, 20, Rainha de bateria da escola que venceu a divisão de acesso. 

 

Em seguida, a escola Unidos de Pinhais cantou seu samba-enredo sobre a mágica nas histórias infantis. Cinderelas e bruxas e entraram em cena. A Império Real de Colombo entrou na Marechal com um tema popular, a “malandragem” do curitibano. Após, os Internautas ressaltaram a importância da cultura popular da capital paranaense.

 

A chuva começou no início das escolas do grupo Especial, e isso, não atrapalhou a disposição da Imperatriz da Liberdade na avenida, trouxe a cultura afro-descendente ao retratar a capoeira.

 

Logo depois, a Embaixadores da Alegria trouxe um grande sucesso do cantor Roberto Carlos. Música lançada em 1967, no álbum ritmo de aventura, com o refrão: “como é grande o meu amor por você!”. O samba procurava valorizar a história da escola que completou 70 anos.

 

A Leões da Mocidade retratou o caminho do Peabiru, a história e cultura indígena na América do Sul. Sem demora, a Acadêmicos da Realeza surgiu com seus figurinos excêntricos, e prestou tributo aos 100 anos do nascimento de Chacrinha, o rei dos programas de auditório na televisão, que faleceu em 1988. “Ó Terezinha Ó Terezinha, é um barato o centenário do Chacrinha”, era o que dizia a música. 

 

A última escola a desfilar, foi A Mocidade Azul, que acabou ganhando o título. É a quinta vez seguida que é campeã no carnaval curitibano. Expôs o samba-enredo. “Quem canta seus males espanta. Onde está o dinheiro? Quem foi o gato que comeu?". Para os participantes da agremiação, o tema procurou discutir a corrupção e a ética no Brasil.

 

 

 

 

 

Please reload

Pessoas de todas as idades se rendem aos grupos de ciclistas

31.03.2020

Sem habilitação não tem trânsito seguro

17.03.2020

Um projeto de superação para além das quatro linhas

17.03.2020

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias