Cultura afrodescendente aparece encoberta em Curitiba

22.05.2018

Apesar do eurocentrismo dominante, história de pontos turísticos relembra memória dos negros

A Igreja do Rosário foi construída para os escravos e ainda mantém os azulejos da capela original. (Crédito: Monize Ramos)

 

Curitiba, tal como conhecemos hoje, nasceu a partir da influência de diversas culturas. A configuração da população, por exemplo, é marcada por influências de imigrantes italianos, alemães, poloneses, ucranianos e asiáticos. Da mesma forma, e com a mesma expressão, os escravos também influenciaram na cultura desta população, com tradições e costumes que apresentam-se por toda a cidade.

 

É possível observar os traços da cultura afrodescendente nos padrões arquitetônicos e festas que procuram resgatar a história da chegada dos negros na cidade. No entanto, toda a riqueza vinda dos afrodescendentes ainda não ganhou pleno destaque na cidade. A influência do eurocentrismo acaba dando destaque para o conjunto de elementos dos costumes europeus.

 

O Doutor em Antropologia Social, pela UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas) e também professor do Departamento de História da UFPR (Universidade Federal do Paraná), Hector Guerra Hernandez, afirma que o pouco interesse da elite dominante da cidade, e de suas instituições, é um dos motivos da falta de visibilidade da cultura africana na cidade. "Perante esta situação, a população afrodescendente tem pagado historicamente, através de um injusto e sistemático silenciamento", declara o professor.

 

Segundo o professor, por muito tempo, as histórias da população afrodescendente, não foram contadas por conta do pouco espaço que era aberto para esse público. Com a aprovação de leis que garantam o espaço de negros no ensino superior público, dentre outras políticas públicas, há uma significativa inserção das diversas manifestações sociais e culturais da população afrodescendente, explica o pesquisador.

 

A Praça Zumbi dos Palmares, o Pelourinho de Curitiba e a Lavação da Escadaria da Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos. São esses os pontos turísticos e e eventos de manifestação social que Jessica Tayana, 23 anos, já teve a oportunidade de conhecer e participar. Além de achar muito importante a representatividade da cultura na cidade, Jessica observa: "Não dá pra deixar de afirmar que ainda tem pouca representatividade comparado com a quantidade de outros pontos turísticos".

 

Hernandez afirma que a observação de Jessica é uma realidade que pode não durar por muito tempo. Ele afirma que o ingresso de afro-brasileiros em universidades do Paraná pode mudar os aspectos históricos na cidade. "Esta situação tem contribuído para visibilizar a presença negra na cidade, desde uma perspectiva diacrônica, e chega ao ponto de questionar a branquitude normativa que se respira na cidade", declara o historiador.

 

 

Participação da população

 

Franciele Fraire, 27 anos, curitibana de descendência negra, atualmente mora em Santiago e afirma que sempre que vem à cidade, procura passar pelos pontos turísticos que contam a história da sua cultura.  "Eu vejo alguns nomes e pessoas que despontam na cultura, como a Karol Conká, os Encantados ou mesmo a galera que é do pagode. Mas em termos de povão, o negro não se reconhece como sendo negro. Então, tão pouco há reconhecimento externo", avalia.

 

O Movimento Negro, por exemplo, tem um núcleo que concentra pessoas que constroem projetos para criar museus, promover festas e realizar eventos que possam contribuir para relembrar a presença da cultura africana na cidade.

Porém, Franciele afirma que nem todos querem participar dos movimentos.

 

Hector Guerra Hernandez explica que promover atividades que contribuam a visibilizar a cultura negra é de extrema importância para que a população afrodescendente tenha formas de relembrar e marcar sua história e memória. No entanto, o professor declara que há um retrocesso por conta da decisão da prefeitura de anular o feriado do dia da consciência negra, que era no dia 20 de novembro.

 

"A importância de dar relevância a estas iniciativas contribuirá para o combate contra o preconceito e racismo, muitas vezes solapado em ideologias de origem que precisam ser revistas e, desta maneira, fazer justiça a uma população curitibana afrodescendente", finaliza o professor.

 

 

Please reload

Pessoas de todas as idades se rendem aos grupos de ciclistas

31.03.2020

Sem habilitação não tem trânsito seguro

17.03.2020

Um projeto de superação para além das quatro linhas

17.03.2020

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias