Leitura é incentivada por projetos acadêmicos

Instituições de ensino promovem atividades envolvendo literatura e produtos culturais, estimulando jovens a imergir no mundo literário

Projetos acadêmicos instigam alunos a lerem diferentes tipos de livros, incluindo os clássicos. (Crédito: Reprodução)

 

De acordo com a pesquisa Retratos da leitura no Brasil, realizada em 2015, pelo Instituto Pró-Livro, 56% dos 104,7 milhões de brasileiros entrevistados podem ser considerados leitores. A pesquisa caracteriza como leitores aqueles que leram, nos últimos três meses, um livro ou mais.  A maioria da população de leitores tem de 5 a 24 anos e 7% recebeu influências dos professores na construção do gosto pela leitura. 

 

Monique Losina, mestra em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), e membra da equipe multidisciplinar do Serviço Social da Indústria do Paraná (SESI-PR) acredita que este número está associado à forma como os professores incentivam a prática, em sala de aula. “Quando eu era aluna, o que me incentiva era ver que meu professor era bem apaixonado pelos [livros] que ele trazia. Eu via que meus colegas também eram incentivados", relembra.

 

Além disso, Losina diz que este incentivo é fundamental e uma maneira de criar uma ponte entre o leitor e a obra que está sendo ou será lida. Este vínculo é estimulado, por exemplo, pela professora Flávia Bespalhok, nas disciplinas de rádio do curso de Tecnologia em Comunicação Institucional da Universidade Federal do Paraná (UFPR), por meio de radionovelas.

 

O trabalho permite tanto a criação de roteiros originais, quanto a adaptação de obras literárias, a critério dos estudantes. Para Bespalhok, uma das consequências positivas que a atividade traz é o incentivo à leitura. “É comum, quando ouvimos ou assistimos uma adaptação, que se tenha curiosidade de ler a obra original”, afirma.

 

O incentivo também pode partir dos próprios alunos da equipe, como no caso do grupo de Lucas Barreira, que sugeriu a realização de uma radionovela baseada no livro Caixa de Pássaro, de Josh Malerman, o que estimulou outros colegas a lerem o livro. Ouça aqui a adaptação realizada por eles.

 

Em algumas instituições de ensino, porém, o incentivo à leitura não fica restrito apenas ao corpo docente e aos trabalhos em sala de aula. Existem projetos acadêmicos que também instigam os alunos a lerem diferentes tipos de livros, incluindo os clássicos, e a imergir no mundo literário. O projeto Olimpíada de Literatura dos colégios SESI-PR, organizado por uma equipe multidisciplinar, acontece desde 2013, por meio da iniciativa de Denis Martins, antigo coordenador da equipe.

 

O projeto funciona como uma competição entre equipes e gira em torno de desafios, norteados pelos chamados fios culturais, que são duas obras literárias (normalmente clássicas), além de músicas, filmes, obras de arte e textos teóricos da Filosofia ou Sociologia. A equipe que vence, ganha uma viagem à São Paulo, onde visitam museus e pontos turísticos. A professora de Língua Portuguesa e Literatura, Jaqueline Flügel, participa desde a primeira edição e indica alguns dos principais pontos de desenvolvimento que o projeto traz aos alunos. Além disso, os próprios estudantes reconhecem os resultados positivos que o projeto traz. Confira no vídeo a seguir a opinião de Lucas Ribeiro, Enya Benites e Pedro Anderson sobre a Olimpíada de literatura.

 

  Depoimento dos egressos Enya Benites, Lucas Ribeiro e Pedro Anderson, sobre a Olimpíada de 2015. (Crédito: Eiko S. Harata)

 

 

No ensino superior também é possível encontrar alguns projetos que estimulam os estudantes, como o Cesta Cultural, desenvolvido nos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Autônomo do Brasil (UniBrasil). O projeto, que foi criado em 2007, consiste em organizar, a cada bimestre, uma lista de produtos, como livros, exposições e peças teatrais, para serem consumidos durante os dois meses do bimestre. No final, uma avaliação sobre os produtos é realizada e a nota obtida ajuda a compor a nota bimestral do estudante.

 

Maura Martins, atual coordenadora dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda do UniBrasil, explica que os alunos têm visões diferentes sobre o projeto mas que, em geral, ele alcança os resultados esperados e ainda colabora com o incentivo às práticas literárias. “Muitas vezes, notamos que os alunos abrem seus interesses a partir das obras da Cesta. Começam, por exemplo, a ler espontaneamente outros livros de um mesmo autor, ou a procurar outros filmes de um diretor de cinema”, comenta. Para a coordenadora, os estudantes percebem a real importância depois de formados.

 

Um país se faz com homens e livros

 

É unânime, dentre os professores entrevistados pela EntreVerbos, a importância dos projetos de incentivo à leitura. De modo geral, a relevância está em se ter uma boa e constante rotina de leitura.  Para Monique Losina, a popular citação de Monteiro Lobato, que diz ‘um país se faz com homens e livros’, ilustra bem a importância destes projetos, “por conta da ampliação da capacidade crítica que a leitura possibilita”.

 

 

A professora Flávia Bespalhok argumenta, também, que um bom profissional precisa de muita leitura para ampliar seu vocabulário. “Sem leitura, de todo tipo, o aluno fica sempre na mesmice. As obras literárias, além de melhorar essa relação com a língua, também desenvolvem a criatividade, ampliam a visão de mundo, e traz para o aluno uma bagagem cultural que é importantíssima”, defende.

 

Nesta lógica, Jaqueline Flügel lembra que o ato de ler desenvolve a interpretação, em todas as áreas do conhecimento. “O aluno que interpreta bem, tende a se dar bem em todas as outras áreas”, comenta. E é justamente buscando formar um profissional completo que a coordenadora Maura critica a visão mecanicista das formações de jornalistas e publicitários. “Os bons profissionais são aqueles que estão acima do senso comum, que conseguem olhar a realidade de uma forma aprofundada e crítica. E isso só é possível por meio da cultura, do conhecimento de outras realidades, do contato com outras leituras sobre o mundo diferentes da sua”, explica.

 

 

Como começar a ler?

 

Para algumas pessoas, ler um livro inteiro pode ser algo muito difícil. Falta concentração e cada página a menos é comemorada. Contudo, a relação não precisa ser essa. Cada pessoa tem um gosto e um ritmo de leitura diferente e, quando se descobre que nem todo mundo lê da mesma forma, tudo fica mais fácil. A seguir trazemos algumas dicas para facilitar a entrada no mundo literário.

 

 

 

Please reload

Pessoas de todas as idades se rendem aos grupos de ciclistas

31.03.2020

Sem habilitação não tem trânsito seguro

17.03.2020

Um projeto de superação para além das quatro linhas

17.03.2020

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias