Curitiba em cartaz: produção local depende de cursos de cinema

14.12.2016

O amor pela sétima arte é o que impulsiona a produção de filmes na cidade

 

         O cinema emociona de várias formas o público. (Crédito: Acervo gratuito do Wix)

 

Desde a exibição da primeira sessão de cinema em Paris, no Grand Café, no dia 28 de dezembro de 1895, pelos franceses Auguste e Louis Lumière, o cinema provoca emoções no público. Ainda hoje o longa e o curta-metragem causam esse fascínio, mas o que está por trás destas produções?

 

No Brasil, existem leis de incentivos para produção de filmes, que permitem que os patrocinadores deduzam parte ou mesmo o total dos recursos patrocinados dos impostos. Porém, quando o assunto é produção local, nem sempre essas leis funcionam como deveriam. Leonardo Goulart, ator de Curitiba, diz que a maioria das produções feitas na capital são concebidas com pouquíssimos recursos e, geralmente, produzidas de forma independente ou em cursos de cinema.

 

O ator confirma que o cinema produzido na capital paranaense é “baseado no amor e na produção independente”.  Segundo Goulart, o cinema curitibano é carente de crítica, cobertura da mídia e política cultural eficaz, mas também há dificuldade na distribuição e exibição fora do circuito alternativo ou em festivais.

 

            Um, dois, três, claquete gravando: Max Olsen em ação. (Crédito da foto: Facebook/Maxolsen)

 

Max Olsen, filmmaker, confirma que as produções feitas na cidade são principalmente produzidas “pelos alunos dos cursos de audiovisual e que, na maioria das vezes, são independentes e de baixíssimo custo”. O mercado de produção de cinema em Curitiba ainda é modesto, com poucas oportunidades e a principal identidade do cinema curitibano é voltada ao cinema documentário e ao curta-metragem, em uma produção artesanal.

 

 

Estudando cinema em Curitiba

 

É grande o número de cursos oferecidos na capital, desde cursos técnicos até de nível superior. A produção de filmes e roteiros nestes cursos é crescente porque se tornou muito mais barato financiar os filmes dos alunos, já que a grande maioria das escolas utiliza câmeras, edição e finalização digitais.

 

Caio Gustavo, estudante de audiovisual do Instituto Federal do Paraná (IFPR),  conta que a produção local está iniciando, mas acredita que tem tudo para dar certo, porque existe mão de obra capacitada e espaço para evoluir. As turmas que estão finalizando o curso produzem uma série de filmes e, mesmo a produção sendo amadora, a qualidade é profissional. O curso ensina a pré-produção, edição e pós-produção. 

 

No vídeo a seguir, Caio Gustavo fala sobre as incertezas que teve antes de iniciar o curso e as razões que o levaram a escolhê-lo.

 

 

 

 

 

Please reload

Pessoas de todas as idades se rendem aos grupos de ciclistas

31.03.2020

Sem habilitação não tem trânsito seguro

17.03.2020

Um projeto de superação para além das quatro linhas

17.03.2020

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias