Curitiba em cartaz: produção local depende de cursos de cinema

14.12.2016

O amor pela sétima arte é o que impulsiona a produção de filmes na cidade

 

         O cinema emociona de várias formas o público. (Crédito: Acervo gratuito do Wix)

 

Desde a exibição da primeira sessão de cinema em Paris, no Grand Café, no dia 28 de dezembro de 1895, pelos franceses Auguste e Louis Lumière, o cinema provoca emoções no público. Ainda hoje o longa e o curta-metragem causam esse fascínio, mas o que está por trás destas produções?

 

No Brasil, existem leis de incentivos para produção de filmes, que permitem que os patrocinadores deduzam parte ou mesmo o total dos recursos patrocinados dos impostos. Porém, quando o assunto é produção local, nem sempre essas leis funcionam como deveriam. Leonardo Goulart, ator de Curitiba, diz que a maioria das produções feitas na capital são concebidas com pouquíssimos recursos e, geralmente, produzidas de forma independente ou em cursos de cinema.

 

O ator confirma que o cinema produzido na capital paranaense é “baseado no amor e na produção independente”.  Segundo Goulart, o cinema curitibano é carente de crítica, cobertura da mídia e política cultural eficaz, mas também há dificuldade na distribuição e exibição fora do circuito alternativo ou em festivais.

 

            Um, dois, três, claquete gravando: Max Olsen em ação. (Crédito da foto: Facebook/Maxolsen)

 

Max Olsen, filmmaker, confirma que as produções feitas na cidade são principalmente produzidas “pelos alunos dos cursos de audiovisual e que, na maioria das vezes, são independentes e de baixíssimo custo”. O mercado de produção de cinema em Curitiba ainda é modesto, com poucas oportunidades e a principal identidade do cinema curitibano é voltada ao cinema documentário e ao curta-metragem, em uma produção artesanal.

 

 

Estudando cinema em Curitiba

 

É grande o número de cursos oferecidos na capital, desde cursos técnicos até de nível superior. A produção de filmes e roteiros nestes cursos é crescente porque se tornou muito mais barato financiar os filmes dos alunos, já que a grande maioria das escolas utiliza câmeras, edição e finalização digitais.

 

Caio Gustavo, estudante de audiovisual do Instituto Federal do Paraná (IFPR),  conta que a produção local está iniciando, mas acredita que tem tudo para dar certo, porque existe mão de obra capacitada e espaço para evoluir. As turmas que estão finalizando o curso produzem uma série de filmes e, mesmo a produção sendo amadora, a qualidade é profissional. O curso ensina a pré-produção, edição e pós-produção. 

 

No vídeo a seguir, Caio Gustavo fala sobre as incertezas que teve antes de iniciar o curso e as razões que o levaram a escolhê-lo.

 

 

 

 

 

Please reload

Jovens LGBT enfrentam preconceito dentro de casa

18.11.2019

Ser bilíngue significa expandir os horizontes

11.11.2019

Terror destaca cinema nacional

04.11.2019

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon

Siga a Entreverbos

Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo