Libras: barreira linguística afeta cotidiano

Muitos não falam a língua materna dos surdos,  o que gera dificuldades no cotidiano

 

 Atividades simples podem ficar mais complexas com a barreira linguística. (Crédito: Liliane Jochelavicius)

 

No dia 24 de abril, a Lei que reconhece a Língua Brasileira de Sinais (Libras) como meio legal de comunicação e expressão, completou 15 anos. O uso dela contribui para uma educação melhor e também nas atividades do cotidiano. A evolução da tecnologia ajudou muito nas tarefas: os antigos telefones com teclados acoplados para surdos foram substituídos por celulares, muito mais práticos pelo tamanho, e que permitem, além das trocas de mensagens de texto, a conversa por vídeo em Libras.

 

Existem relógios despertadores que vibram e podem ser usados, por exemplo, embaixo do travesseiro. Há relógios de pulso que também vibram. Os avisos luminosos são importantes para avisar quando toca a campainha ou o interfone. Cleverson Rogério dos Santos, estudante de Letras-Libras na Universidade Federal de Santa Catarina, relata o caso de uma surda que tem duas cores de luz para o interfone: uma geral e uma para quando é o síndico quem liga. Na escola Alcindo Fanaya Júnior, em Curitiba, abaixo da caixa de som há uma luz vermelha que pisca enquanto toca o sinal. Existe também a empresa Viavel que auxilia na comunicação em ligações e atua em lugares públicos onde não há interprete.

 

A Libras é a língua materna dos surdos, a primeira língua na qual aprendem a se comunicar. Pela Lei 10.436/2002 e o Decreto 5.626/2005, deveria haver atendimento em Libras para os que fazem uso dela. Porém, é muito raro, em lugares públicos, um surdo contar com um intérprete para mediar a comunicação. “Geralmente é a família que acompanha,  um amigo que sabe sinais ou intérprete voluntário. Em raros casos o surdo contrata e paga um profissional para acompanhá-lo”, relata Jeanen Pavlovski Machado, que trabalha com atendimento a surdos na Lapa.

 

Thayse Goulart Strazzi conta sobre as dificuldades enfrentadas no cotidiano. Em uma família onde todos são surdos, é preciso esforço e paciência.

 

 Vídeo apresenta dificuldades enfrentadas por Thayse Goulart Strazzi no cotidiano. (Crédito: Liliane Jochelavicius) 

 

 

Para quem quer aprender

 

Outra questão também levantada por Jeanen Pavlovski Machado é que são poucos os cursos de Libras oferecidos pela iniciativa pública. Em geral, quem deseja estudar acaba procurando os cursos particulares. O Centro de Capacitação de Profissionais da Educação e de Atendimento às Pessoas com Surdez (CAS-PR) oferece cursos para os funcionários da Educação no Paraná e, quando sobram vagas, é possível que outras pessoas também se inscrevam.

 

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) oferece o curso de Libras gratuito, mas é preciso prestar atenção às datas de inscrição e ao número de vagas, que é limitado. A Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (Feneis) oferece o curso, mas não é gratuito. Também é possível estudar em escolas como Librandus e Cepol.

 

Mas o que é possível fazer, sem saber Libras, ao encontrar com um surdo? Nem sempre é possível ter um intérprete ou alguém que conheça a língua de sinais por perto. Nesse caso, seguem algumas dicas:

 

 Quadro comparativo. (Fonte: livro Aprenda LIBRAS com eficiência e rapidez/ Crédito: Liliane Jochelavicius)

 

Please reload

Pessoas de todas as idades se rendem aos grupos de ciclistas

31.03.2020

Sem habilitação não tem trânsito seguro

17.03.2020

Um projeto de superação para além das quatro linhas

17.03.2020

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias