Uma arte estampada pela cidade

Arte urbana do grafite colore locais privados e públicos de Curitiba

 

Grafite de Paulo Leminski na Travessia Tiradentes (Crédito: Mariana Campioni)

 

O grafite está  ganhando espaço em Curitiba. O artista João Marcos do Nascimento Rezende de Carvalho, de 23 anos, diz que ele e vários amigos de profissão não ficam parados. Porém, ainda que a cidade tenha aberto espaços para a divulgação desta arte, como em viadutos e terminais, Carvalho diz que a ideia de grafite ainda é "vaga" demais.

 

Ele diz que a maioria das pessoas que solicitam o grafite querem simplesmente evitar que os locais sejam pichados e não, necessariamente, usufruem da beleza e da técnica próprias do ofício. "Eu creio que essa não deveria ser a motivação, mas, sim, porque gostam da arte”, diz o grafiteiro. 

 

O grafite tem ocupado novos espaços, tornando-se uma alternativa estética também para bares e locais que antes evitavam este tipo de prática. A cidade chegou a sediar um evento Street of Styles – Encontro Internacional de Grafitti, que contou com talentos de mais de 16 países.  

 

O grafite é uma forma de protesto ou de manifestação, é uma intervenção urbana. Carvalho diz que a ideia vai além de um simples desenho, sendo uma forma de confrontar o momento que a sociedade vive. Porém, ele também se queixa de que esse desejo estritamente estético das pessoas pela prática acaba censurando suas ideias de projeto. "É raro alguém que libere o muro para eu fazer aquilo que eu realmente gostaria de fazer”, conta.

 

 

O cenário curitibano

 

Mesmo que Curitiba seja hoje mais receptiva em relação ao grafite, este cenário ainda se encontra muito fechado, se comparado a cidades como São Paulo, por exemplo. De acordo com Carvalho, a população da capital paulista está mais aberta à prática, enquanto em Curitiba é comum que um artista seja abordado e questionado enquanto grafita.

 

O movimento do grafite começou em meados dos anos 1970 e ganhou repercussão no Brasil, primeiramente na cidade de São Paulo. Na capital do Paraná, a prática do grafite já existe desde o início dos anos 1980, de acordo com o livro “Espelho na Cidade”, de Valdecimples e Tatiana de Alves e Souza. A arte era frequentemente executada através das técnica de stencil e estava bastante ligada às torcidas organizadas de futebol.

 

 Grafite de stencil (Crédito: Flickr/ Dan Brickley)
 

Diferentemente dos pichadores, os grafiteiros costumam requerer a permissão dos responsáveis pelos imóveis, quando a "tela" está em propriedades particulares. “Se a propriedade for particular, é bem simples e, se for um trabalho autoral, eu não vou cobrar. Basicamente, é bater palma e pedir. Na empresa, alguns pedem para ver o desenho antes e, autorizando, a gente pinta”, relata o grafiteiro.

 

Já se o espaço é público, deve-se ter cuidado. O primeiro passo é verificar qual é o órgão responsável pelo local e identificar qual o processo será necessário para grafitar o local. “Já realizei trabalhos comerciais também, como o do viaduto da Marechal com a linha verde. Ali foi um edital da Fundação Cultural, onde vai toda burocracia: colocar proposta, orçamento, nome dos artistas, enfim, é atender os requisitos que o edital manda”, conta Carvalho.

 

 Grafite João Marcos, viaduto da Av. Marechal Floriano com BR 116, em Curitiba PR (Crédito: João Marcos)

 

Abaixo você consegue ver como funciona a arte do grafite. O vídeo foi cedido pelo grafiteiro João Marcos Carvalho.

 

 

Grafite é arte, pichação é crime

 

Pichação e Grafite (Crédito: Mariana Campioni)

 

Como já foi visto, grafite é uma arte de expressão, com respaldo da lei para ser executada.  Quando tem autorização, pode ser feito em qualquer local. Do lado oposto está a pichação, que, segundo a lei , é um crime, pois é algo realizado sem permissão em locais públicos ou privados. 

 

A pichação é feita para que determinados nichos coloquem sua “marca” pela cidade. Pode ser uma maneira de delimitar o local entre pessoas que pertencem a meios opostos ao seu.

 

A pena para esta prática é de seis meses a um ano de detenção e pagamento de multa, sendo que a gravidade da punição aumenta se a ação ocorrer em locais considerados históricos. É possível denunciar pichações, de forma anônima, pelos telefones 190, da Polícia Militar, 181, do Disque denúncia, 156, da Prefeitura Municipal de Curitiba, ou 153, da Guarda Municipal. 

 

 

Please reload

Redes sociais se tornam válvula de escape durante o isolamento social

10.07.2020

Aumento de ataques cibernéticos alertam para a necessidade de se ter cuidados com a proteção

24.06.2020

Atividades culturais na internet ajudam a enfrentar a quarentena

19.05.2020

1/3
Please reload

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias