• Por Fernanda Bueno

Aplicativos facilitam a comunicação entre surdos e ouvintes

A tecnologia auxilia ouvintes que não sabem a Língua de Sinais na comunicação com surdos

Mais de 1% dos brasileiros têm algum grau de perda da audição. (Crédito: Fernanda Bueno)

Todos os dias temos contato com algum tipo de tecnologia, que, muitas vezes, facilita o que vamos fazer no trabalho, faculdade ou até mesmo na comunicação com conhecidos e familiares. Mas, já parou para pensar que existe tecnologia proporcionando inclusão para surdos? Sim, ela existe!

A Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revela que 1,1% da população brasileira é total ou parcialmente surda. O levantamento, de 2013, mostra que 0,9% dos brasileiros ficaram surdos em decorrência de alguma doença ou acidente e 0,2% nasceram surdos. Do total de deficientes auditivos, 21% tem grau intenso ou muito intenso de limitações, o que acaba comprometendo atividades corriqueiras.

Contudo, as tecnologias que proporcionam aos surdos maneiras diferentes de se relacionar com o mundo também estão se ampliando. Desde de relógios vibradores, que ajudam a acordar, até aplicativos que auxiliam na comunicação com ouvintes que não sabem Libras. Com isso, há facilidade até mesmo para os ouvintes que convivem com surdos, que agora também contam com a tecnologia para ajudar na comunicação.

>>> Libras: Lei completa 15 anos

>>> Libras: língua contribui para uma educação melhor

>>> Libras: barreira linguística afeta cotidiano

Denise Moccelin nasceu surda e trabalha com Tecnologia da Informação na empresa Clínica Imagem. Ela conta que a tecnologia ajuda muito na comunicação com outros colegas e, principalmente, com ouvintes que não têm conhecimento da língua de sinais. "No trabalho nós usamos e-mail e grupos no WhatsApp, além do programa interno na empresa, que é parecido com o Messenger", relata Denise.

Além das tecnologias de mensagens instantâneas, Denise conta que, para as pessoas que não sabem Libras, ela e seus colegas que sabem procuram ensinar pessoalmente. Para ajudar com a comunicação, eles usam o aplicativo Hand Talk, que é um recurso para traduzir Libras.

Hand Talk

Aplicativo Hand Talk chegou para facilitar a comunicação entre surdos e ouvintes que não sabem Libras. (Crédito: Fernanda Bueno)

Com o objetivo de ajudar ouvintes que não sabem Libras, o aplicativo Hand Talk facilita a comunicação entre ouvintes e surdos. Além de ser gratuito e estar disponível para baixar em IOS, Android e Blackberry, o aplicativo ganhou o prêmio da Organização das Nações Unidas (ONU) de melhor aplicativo social do mundo (WSA Mobile Abu Dhabi – 2013).

Em 2008, Ronaldo Tenório, publicitário, teve a ideia de criar o aplicativo, que começou como um projeto de faculdade. Mas, somente em 2012 a ideia se tornou prática, quando ele e mais dois amigos, hoje sócios - o analista de sistemas Carlos Wanderlan e o arquiteto especialista em 3D Thadeu Luz - apresentaram a solução em um desafio de startups e se tornaram campeões.

"A gente percebeu a dificuldade que o público surdo tem em se comunicar com os ouvintes. E com o aplicativo podemos ajudar milhões de pessoas a quebrarem esta barreira”, revela Tenório. Assim, surgiu o tradutor de bolso, usado como um recurso de tradução para Libras, que estreita os laços entre surdos e ouvintes. Com a ajuda do Hugo, um intérprete virtual 3D, o aplicativo permite ao usuário traduzir textos e voz para a Língua Brasileira de Sinais.

Confira depoimentos de pessoas que usam o aplicativo Hand Talk:

Usuários do aplicativo Hand Talk contam como o aplicativo facilita no aprendizado de Libras. (Crédito: HandTalkTV)

  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon
Revista online produzida pelos alunos do curso de Jornalismo
Siga a EntreVerbos
  • fb icon 2
  • yt icon 2
Revista digital produzida pelos alunos do curso de Jornalismo 
 

Centro Universitário Internacional| UNINTER |

Rua Saldanha Marinho, 131 – Centro | Curitiba-PR |

revistaentreverbos@gmail.com

Siga a Entreverbos

 Site projetado por Agência Experimental Grafita
Colaboração de layout por Guilherme Dias